O Que Eu Penso D… A Rainha das Duas Sicílias


Ficha Técnica:
Título Original – The Lady Queen
Título – A Rainha das Duas Sicílias
Autora – Nancy Goldstone
Editora – Bertrand Editora

Edição – Setembro 2011
ISBN –  
9789722523431


Sinopse:

Em 1348, aos vinte e dois anos, Joana I, rainha de Nápoles, foi apresentada em julgamento ao Papa, acusada do homicídio do primo e marido, o príncipe húngaro André. Defendeu-se em latim e foi absolvida transformando-se então na única mulher monarca do seu tempo a governar em nome próprio. Presidiu durante mais de trinta anos a uma das cortes europeias mais prestigiadas e influentes, até ser ela própria assassinada. Pela primeira vez, Nancy Goldstone conta a história de uma das mais corajosas e influentes mulheres da história, pintando um retrato cativante da realeza medieval em toda a sua esplêndida complexidade. Joana I foi uma rainha medieval obrigada a lidar com intrigas políticas no seio da própria família e do estado em tenra idade. Apesar da sua atenção para com os pormenores históricos, esta biografia lêse compulsivamente.


Opinião:
Joana I, rainha de Nápoles, teve uma vida perfeita para um romance histórico. Desde o drama, às traições, aos segredos, às pressões, aos amores, etc. Em modo de exemplos conto que ela teve quatro maridos, muitos abortos, muitas quezílias. Por isso, posso concluir que Nancy Goldstone soube escolher bem a personagem principal, mas…. não aproveitou nada!
Esta obra é semelhante a um trabalho de história sobre a rainha, mas não tem nada a ver com um romance histórico. Aliás, ainda mal me tinha reposto do “documentário” Princesas Incas deparo-me com outro.
O pior de tudo penso que foi a ausência dos diálogos e de descrições. estas últimas, se contarmos, são apresentadas em formas de citações de escritores da época, mas que na minha opinião falham redondamente.
Os diálogos, então, são mesmo inexistentes.
Isto torna tudo muito longo e pesado, em que a história é contada de forma linear e sem qualquer cor ou interesse. A escritora relata e insiste nas datas, o que poderia nos ajudar a seguir o curso da história, mas como ela mistura-as entre elas e com o resto da acção acabamos por ficar baralhados e ter que voltar atrás para perceber onde estamos. A certo ponto acabei por só ler o dia e o mês.
Este ponto é muito negativo, porque tudo é contado na terceira pessoa e há muita alteração e troca de personagens e locais.
Se estão a espera de encontrar algo do género de Philippa Gregory estão muito enganados.
Se estão à procura de fontes para um trabalho escolar sobre o século XV-XVI então este é um livro bom para a bibliografia.
Frases Preferidas:
Quando existe a menor familiaridade de qualquer espécie com um homem, a desgraça facilmente macula a mais honrada das mulheres.” página 134
Se eu fosse vós, Giotto“, comentou num dia de Verão, “parava de pintar, agora que está tanto calor.” “E eu também, Senhor“, replicou o pintor, “se fosse vós.” página 263
(…) Dante perguntara uma vez ao pintor, à laia de brincadeira, como “é que os vossos filhos eram tão feios quando as vossas pinturas eram belas“. Sem perder tempo a pensar, Giotto respondeu que “pintava à luz do dia, mas procriava na escuridão””. página 263
Anúncios

2 pensamentos sobre “O Que Eu Penso D… A Rainha das Duas Sicílias

  1. Este é o risco que se corre quando uma historiadora começa a ter mania que é romancista. Uma pena, porque acho sinceramente que há muita gente por aí que não gosta de História porque pessoas como essa senhora fazem questão de a contar como quem lê uma lista de compras.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s